Pular para o conteúdo principal

Senhor Presidente, uma ponte para Cachoeira!

A notícia de que o prefeito José Otávio Germano foi a Brasília solicitar ao presidente uma nova ponte para Cachoeira do Sul, traz à memória situação vivida em 1949. O momento era outro. Cachoeira não dispunha de ponte para a transposição do Jacuí e muitas eram as reclamações relacionadas ao transporte tanto fluvial quanto ferroviário, então muito utilizados. Em razão disso, observou-se o crescimento e a expansão do transporte aéreo, tendo a VARIG, nesse período, ampliado os serviços oferecidos com sua agência em Cachoeira. 

Diante das dificuldades e dos prejuízos ao município, o então prefeito Liberato Salzano Vieira da Cunha foi encontrar-se com o presidente da República, Eurico Gaspar Dutra, para obter ajuda federal para construir a tão sonhada ponte que transpusesse o Jacuí. Voltou de lá com a certeza de que em breve o Ministro das Obras e Viação viria a Cachoeira para dar início às tratativas.

Prefeito Liberato S. Vieira da Cunha - Fototeca Museu Municipal


O Jornal do Povo de 1.º de maio de 1949, em sua primeira página, estampou: Esteve Brilhante a Recepção Ao Sr. Clovis Pestana - Visitas - Banquete - Discursos.

Clovis Pestana chegou em Cachoeira por via férrea, a bordo do carro "Bento Gonçalves" em extensa composição. No desembarque na estação, às 8h20 da manhã de 28 de abril de 1949, foi saudado por autoridades civis, militares e eclesiásticas, com manifestações de boas-vindas de alunos, professores e representantes de diversos segmentos da comunidade. Na companhia do prefeito Liberato S. Vieira da Cunha, Clovis Pestana visitou o terreno em que se assentaria a nova agência dos Correios e Telégrafos de Cachoeira do Sul, na Rua Saldanha Marinho, e as dependências do Engenho Brasil, na companhia de seu proprietário e então deputado Reinaldo Roesch. No refeitório daquele engenho, foi-lhe servido um coquetel, ocasião de discursos e saudações. Nas palavras do ministro, uma especial referência aos laços que o prendiam a Cachoeira por ter aqui vivido um de seus avós, Antônio Vicente da Fontoura, herói da Revolução Farroupilha. 

Segundo o Jornal do Povo noticiou, foram as seguintes as considerações do ministro sobre a ponte a ser erguida sobre o Jacuí:

Nessa oportunidade o Ministro da Viação expôs ao Prefeito Municipal e demais pessoas que se achavam no local o seu plano a respeito da ponte sôbre o rio Jacuí. Explicou que em virtude do plano de melhoramentos do rio Jacuí, que levará a navegação até D.ª Francisca e posteriormente inclue a ligação com o Ibicuí, faz-se necessário, justamente na altura da Cachoeira do Fandango, a construção de uma barragem. A ponte será construida sôbre a barragem, o que virá baratear o seu custo. Ficam assim resolvidos, ao mesmo tempo, três importantes problemas para o Município: a barragem, que garantirá a navegabilidade do rio, permitindo o aproveitamento da queda para energia elétrica, e a ponte. A barragem-ponte será construida, pois, pelo sistema de eclusas. Disse ainda o sr. Ministro que com as verbas votadas para o corrente exercicio, far-se-ão os estudos, aliás já iniciados. Dentro de algumas semanas já deverão ter início os trabalhos de sondagem.

Na mesma matéria, em entrevista concedida ao  Jornal do Povo no Café Frísia, enquanto tomava um cafezinho, o ministro deixou dito:

Pode dizer aos seus leitores que esta obra será construida, não poderá ser de outra maneira, em meu discurso ficou evidenciada essa solução. Sabe-se perfeitamente que todos os trabalhos demandam de muito tempo, mesmo pela importância da obra. Os estudos já estão sendo feitos. Precisamos é de espírito de equipe, isso, entretanto felizmente já está sendo conseguido pela boa vontade de nossos engenheiros. Não devemos precipitar os acontecimentos, tudo virá ao seu tempo. Pode dizer aos seus leitores que o Ministério da Viação não desmerecerá da confiança que lhe está sendo depositada.

Conforme prometera o ministro Clovis Pestana, em 26 de junho novamente o Jornal do Povo estampou na primeira página: SERÃO INICIADOS NO PRÓXIMO MÊS OS TRABALHOS DE SONDAGEM DA CACHOEIRA DO FANDANGO, publicando teor de telegrama recebido pelo prefeito Liberato:

Jornal do Povo, 26/6/1949, p. 1 - Acervo de Imprensa

"n.º 93 de 18 de junho-1949. Tenho satisfação vos comunicar já se encontra montado nesta capital sonda geológica, devendo próximo mês serem iniciados serviços preliminares sondagens Cachoeira Fandango. Saudações - Raul Santos Chefe 18.º Distrito Portos Rios Canais - Fisporvia - "

Imediatamente o prefeito Liberato S. Vieira da Cunha começou a trocar correspondências com parlamentares gaúchos para garantir que no orçamento da União para o ano seguinte fossem consignadas verbas para a importante obra.

O resto da história é conhecido. As obras tomaram praticamente toda a década de 1950, sendo a Barragem-Ponte do Fandango inaugurada em 25 de janeiro de 1961.

Ponte do Fandango em construção - abril/1957
- Acervo Werner Becker

Decorridos 60 anos, a história se repete. A demanda do prefeito José Otávio Germano agora é por uma ponte nova, pois a velha Ponte do Fandango não consegue mais, com sua estrutura sexagenária, dar conta do fluxo que os tempos atuais preconizam.

MR

Comentários

  1. Foto da construção da ponte, tirada pelo meu pai, Werner Becker.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma foto maravilhosa!!! Gostaria de saber os nomes dos retratados.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da