Pular para o conteúdo principal

A morte do Poeta das Opalas

Há 100 anos, no dia 1.º de abril de 1922, falecia em Lisboa, o diplomata e poeta cachoeirense Antônio Vicente da Fontoura Xavier, mais conhecido como Fontoura Xavier.


Fontoura Xavier - Museu Municipal

Consagrado pela obra Opalas, onde exibe todo seu talento e erudição, Fontoura Xavier acabou por se tornar conhecido justamente como o "Poeta das Opalas". A obra é considerada um marco do parnasianismo rio-grandense e brasileiro e foi editada pela primeira vez, em Porto Alegre, no ano de 1884.


Opalas, edição de 1905 - www.traca.com.br


Para marcar o centenário do falecimento de Fontoura Xavier, buscamos no Acervo de Imprensa, mais especificamente no jornal O Commercio, edição de 5 de abril de 1922, a repercussão de sua morte na terra natal, estampada na primeira página:

Embaixador Fontoura Xavier

Telegrammas vindos de Lisbôa para a imprensa porto-alegrense dão-nos a triste nova do repentino fallecimento, ocorrido em 31 de março*, do nosso illustre conterraneo, inspirado poeta e eminente diplomata Antonio Vicente da Fontoura Xavier, que, desde os ultimos mezes de 1919, era embaixador do Brasil em Portugal.

Fontoura Xavier estava jantando, em companhia de sua filha e do conselheiro da embaixada brasileira, sr. Graça Aranha, quando, sentindo-se mal, retirou-se para o quarto de toilette, onde, depois, cahiu com uma syncope cardiaca, que o victimou.

Morreu em plena atividade, pois ainda nesse dia estivera no parlamento portuguez, conferenciando com o ministro dos Extrangeiros sobre as medidas a serem tomadas pelo governo brasileiro para auxiliar aos aviadores portuguezes que estão emprehendendo o raid** Lisboa-Rio, prestando-lhes a possivel assistencia e facilitando todos os meios de communicações.

Os jornaes de Lisboa publicaram o retrato do extincto embaixador, acompanhando-o de sentidos necrologios e de algumas notas biographicas sobre o seu modo de ser como artista e a sua acção como diplomata.

Nos edificios publicos da capital portugueza, nas redacções de muitos jornaes e nas residencias dos brasileiros em Lisbôa, foi collocada a meia haste a bandeira brasileira.

O governo portuguez, reunido no ministerio do interior, resolveu fazer o funeral do extincto diplomata, prestando-lhe honras de chefe de Estado.

Os mais distinctos membros da colonia brasileira, bem como as personalidades officiaes, velaram o corpo.

Em nome do governo e da nação portugueza, o dr. Barbosa Magalhães, ministro do Exterior, e o secretario particular do presidente da Republica, apresentaram pezames á viuva do extincto.

---

Fontoura Xavier era natural desta cidade, onde nasceu no anno de 1856, alcançando, portanto, a idade de 66 annos. Deixa viuva e uma filha.

O nosso illustre confrade Correio do Povo, de Porto Alegre, publicou o retrato do diplomata extincto, acompanhando-o das seguintes notas biographicas:

"Fontoura Xavier iniciou bem cedo e com grande successo a sua vida litteraria, impondo-se pelo prestigio do seu talento e por uma solida e invejavel cultura.

Não tendo conseguido, por motivo de saude, bacharelar-se em direito, entregou-se fervorosamente á poesia, e pelas qualidades excepcionaes conquistou a admiração de um critico das exigencias e da severidade de Sylvio Romero.

Em 1877, estreiou-se com o "Regio Saltimbanco", pamphleto em verso, prefaciado por Lopes Trovão e que fez grande ruido, tendo sido a sua edição completamente exgottada.

Mais tarde, em 1884, publicou "Opalas", que o sagraram um dos melhores poetas lyricos da época. Elle foi, na poesia brasileira, o creador do "triolet"***, que cultivou com carinho.

Fontoura Xavier tomou parte activa na propaganda republicana, e aquelle mesmo pamphleto "Regio Saltimbanco" é uma prova de como elle se deixára empolgar pelo movimento.

A carreira diplomatica de Fontoura Xavier foi verdadeiramente brilhante. Iniciou-a elle em 1885, quando foi nomeado consul geral do Brasil em Baltimore, sendo em 1891, removido para o Porto.

Em 1892 foi promovido a consul geral de 2.ª classe, na Suissa, indo depois para a Argentina, como consul geral de 1.ª classe.

Foi ainda consul geral em Nova York e Havana, sendo mais tarde promovido a ministro residente na America Central, de onde saiu elevado a ministro plenipotenciario em Londres.

Principalmente neste ultimo posto conduziu-se com grande brilho e verdadeiro senso diplomatico, honrando sobremodo a representação do seu paiz na capital britanica.

Ha tres annos, culminando na sua carreira, foi chamado a substituir Gastão da Cunha na embaixada em Lisbôa, em cuja plena actividade a morte o surprehendeu, hontem. 

E' de todos conhecido o modo que que se vinha conduzindo nesse posto, imprimindo um grande brilho á nossa representação."

---

O dr. Annibal Loureiro, intendente municipal, assim que soube do infausto passamento, mandou hastear, a meio páu, a bandeira nacional no edificio da Intendencia, e baixou um decreto instituindo luto por 3 dias.

S. s. tambem telegraphou á Embaixada brasileira em Lisbôa, apresentando, em nome deste municipio, sentidos pezames e pedindo que os mesmos fossem transmittidos á Exma. familia do morto.

O Commercio, associando-se á dôr geral, apresenta seus pezames á familia Xavier, representada nesta cidade por numerosos membros.

Quanto ao triolé, uma das marcas da poesia de Fontoura Xavier, em Opalas, sua obra principal, destaque para o poema nesse estilo intitulado Brinde: 

Brinde

Eu bebo à manhã de amores,

Manhã em que os meus sapatos

E os teus mignons sapatinhos,

Os teus cobertos de flores,

Os meus cobertos de lama,

Lama e flores dos caminhos,

Encontraram-se juntinhos,

Pisando na mesma grama.

 

E bebo à noite de amores,

À noite, em que os meus sapatos

E os teus mignons sapatinhos,

Os teus cobertos de flores,

Os meus cobertos de lama,

Lama e flores dos caminhos,

Encontraram-se juntinhos

Debaixo da mesma cama...

 

(Extraído de Opalas, CPL-PUCRS, 1984, p. 31)

Antônio Vicente da Fontoura Xavier era membro da Academia Rio-Grandense de Letras e é o patrono da Cadeira n.º 11 da Academia Cachoeirense de Letras.


*Ao contrário do publicado no O Commercio, as biografias de Fontoura Xavier dão como data de falecimento o dia 1.º de abril de 1922.

**raid (aportuguesado para raide): incursão.

***triolet (triolé na grafia atual): versos com oito sílabas poéticas e apenas duas rimas, composição surgida no século XVI e retomada pelos poetas parnasianos na segunda metade do século XIX.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da