Pular para o conteúdo principal

Repercussões da morte de Getúlio Vargas em Cachoeira

O dia 24 de agosto de 1954 ficou para sempre marcado na história do Brasil, pois nessa data morreu uma das figuras mais populares da nossa história, o presidente Getúlio Dorneles Vargas. A notícia da sua morte fez o país tomar-se de comoção, não só pelas circunstâncias em que ocorreu, mas pelo que o homem público Getúlio representava para a nação.


Getúlio Dorneles Vargas - Acervo Palácio Piratini

Em Cachoeira, o Jornal do Povo do fatídico dia 24 de agosto publicou, em manchete, uma frase dita por Getúlio, denotando a situação grave que se desenhava na presidência da República: Não renunciarei. Morrerei lutando de arma em punho contra aqueles que pretendem arrebatar-me o poder!

A manchete do mesmo jornal, dia seguinte, 25 de agosto de 1954, retrata o que aconteceu: Enlutada a Nação com o trágico e inesperado falecimento do Presidente Getúlio Vargas, ocorrido ontem, ás 8,35 horas. 

Nos dias que se seguiram, as notícias davam conta dos atos fúnebres, revelavam o conteúdo da carta deixada por Getúlio e as providências para que o quarto ocupado pelo presidente virasse "um museu".

Velório do presidente Vargas - O Globo


Na cidade, ficou decretado domingo sem futebol, quando estava prevista uma partida do clássico local entre o Guarany e o Cachoeira, bem como foram suspensas as aulas nas escolas municipais e as comemorações da Semana da Pátria.

Na Prefeitura Municipal, por ato do prefeito Henrique Ghignatti, foi decretado luto oficial no município por oito dias:

Decreto n.º 162, de 24 de Agôsto de 1954.

Henrique Fonseca Ghignatti, Vice-Prefeito Municipal de Cachoeira do Sul, Em exercicio, No uso das atribuições que lhe confere a Lei:

Considerando, o infausto desaparecimento na Capital da República, do eminente Chefe da Nação Brasileira, o Exm.º Sr. Dr. Getulio Dornelles Vargas, o mais il, digo, eleito pela vontade soberana do povo;

Considerando que Getulio Dornelles Vargas, o mais ilustre dos brasileiros, cuja vida foi exemplo de honra, dignidade, de amor à Patria e ao Povo Brasileiro;

Considerando, que nesta hora grave para o Brasil, o Povo chora o desaparecimento de seu ilustre Presidente;

Considerando, finalmente, que Getulio Dornelles Vargas, é um nome que será sempre recordado por todos os brasileiros de bôa vontade, amantes da Democracia, da Paz da Liberdade, Resolve 

Decretar:

Art. Único - É decretado, em todo o território do Municipio de Cachoeira do Sul, a contar desta data, oito (8) dias de luto oficial, como homenagem à Getulio Dornelles Vargas, Presidente da Nação Brasileira, a quem tanto deve a vida econômica Cachoeirense. -

Gabinete do Prefeito Municipal de Cachoeira do Sul, 24 de agôsto de 1954.

(ass.) Henrique F. Ghignatti

Vice-Prefeito Municipal Em exercicio

(Livro de registro de "Decretos" Prefeitura Municipal Cachoeira do Sul, de 6/3/1953 a 24/2/1955, pp. 250 e 251 - Fundo Prefeitura Municipal - não organizado).

No mesmo livro acima, páginas 252 a 254, está registrado o decreto municipal número 165, editado em 1.º de setembro de 1954, que trocou a denominação da Rua Venâncio Aires pelo nome do presidente falecido. Eis o conteúdo do decreto:

Decreto n.º 165, de 1.º de Setembro de 1954

Henrique Fonseca Ghignatti, Vice-Prefeito Municipal de Cachoeira do Sul, Em exercicio, no Uso das atribuições que lhe confere o Art. 53, Inc. II, da Lei Orgânica do Municipio -

Considerando - que a nação brasileira, no dia 24 de Agôsto do corrente ano, foi abalada pelo holocausto da vida do Presidente da Republica, dr. Getulio Dornelles Vargas.

Considerando, - que no govêrno de Getulio Dornelles Vargas foi outorgado ao trabalhador nacional a Consolidação das Leis Trabalhistas, fato que colocou o Brasil como vanguardeiro da justiça social entre os povos civilizados,

Considerando que no Govêrno de Getulio Vargas o Brasil definiu-se a si mesmo, extirpando o caudilhismo nefasto e vergonhoso, instituindo o voto secreto e garantindo verdadeiramente a vida do cidadão, sem distinções de Classe social, côr politica, social ou religiosa;

Considerando que, pelos motivos acima expostos, Getulio Dornelles Vargas foi exemplo edificante de Honra, amor à Patria e ao povo que êle tanto amou a ponto de, por êle, dar a sua vida;

Considerando que em sua última mensagem ao povo brasileiro, Getulio Dornelles Vargas ofereceu seu sangue como um brado de alerta contra tudo que atentar contra a liberdade e igualdade social do ser humano;

Considerando que a integridade, a justiça e dedicação às causas nobres servem de exemplo e merecem o reconhecimento e que nenhum exemplo maior existe para nosso povo idealista do que a vida e a morte do extinto Presidente da nossa Pátria, ambas inteiramente dirigidas em pról do progresso econômico, moral e social do Brasil;

Considerando, ainda, que o municipio de Cachoeira do Sul, como todo o Brasil, durante o govêrno do saudoso Presidente Getulio Dornelles Vargas sempre foi atendido em seus anseios econômicos e sociais, pelo preclaro govêrno por êle dirigido; Resolve

Decretar:

Art. 1.º - Fica denominada, contar desta data, Avenida Presidente Getulio Dornelles Vargas, a atual Rua Venâncio Ayres, desta cidade.

Art. 2.º - Ficam revogadas as disposições em contrário.

Gabinete do Prefeito Municipal de Cachoeira do Sul 1.º de Set. de 1954

(ass) Henrique F. Ghignatti.

Vice-Prefeito Em Exercicio


Antiga Rua Venâncio Aires - Fototeca Museu Municipal

Interessante verificar que, mesmo após 68 anos da morte de Getúlio Vargas, a sua memória continua bem viva.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da