Pular para o conteúdo principal

Um muro no local do "theatro velho"

O primeiro teatro de Cachoeira, o Cachoeirense, foi inaugurado em 1830. Trinta e um anos depois foi construído ao seu lado o prédio da Casa de Câmara e Cadeia, atual Paço Municipal.

Paço Municipal (1864) e Teatro Cachoeirense (1830)
 - foto recuperada por Martinho Schünemann - fototeca Museu Municipal

Sabe-se pouco da história do teatro. Mas chama a atenção o fato de que teria sido mandado construir pelos comerciantes da pequena Vila Nova de São João da Cachoeira e que sua capacidade era para acomodar 500 espectadores!
No final do século XIX o prédio teria sido demolido, sem que haja muita clareza a respeito do que de fato aconteceu. O seu lugar foi ocupado por um grande jardim que atualmente dá acesso às instalações do Gabinete do Prefeito e outros departamentos municipais.

Vista aérea do Paço Municipal, vendo-se o jardim que dá acesso ao Gabinete
- foto Robispierre Giuliani

Eis que um contrato celebrado entre a Intendência Municipal e o construtor Francisco Miotti  vem jogar luz sobre a situação do prédio, determinando que ele deveria construir um muro na "parede do lado Sul do theatro velho que foi incendiado", aproveitando os mesmos tijolos nela empregados. Teria um incêndio destruído todas as instalações do velho prédio? Ou teria sido parcialmente avariado?
O Grupo de Recuperação do Paço Municipal, que conta com especialistas em obras e construções, tem encontrado evidências de que o prédio do Teatro Cachoeirense ficava muito próximo do Paço Municipal, tendo sua demolição permitido intervenções posteriores no projeto original da Casa de Câmara e Cadeia. Estes são questionamentos que por ora ficarão sem respostas concretas, mas a riqueza documental preservada pela Municipalidade junto ao Arquivo Histórico é uma fonte preciosíssima para descobertas permanentes - ou de pistas que podem levar a novas e desafiadoras perguntas sobre o nosso passado.

Livro IM/GI/AB/C-001, fls. 35 e 35v.

Eis a íntegra do contrato constante do Livro IM/GI/AB/C-001, fls. 35 e 35v.:

Contracto que faz Francisco Miotti com a Intendencia Municipal para a construcção de um muro no local onde existia o theatro velho e reparos no prédio da sub-intendencia, sito á rua Saldanha Marinho, pela forma seguinte:
1.ª
O contractante obriga-se a demolir a parede do lado Sul do theatro velho que foi incendiado até a altura do respaldo do muro a construir, fasendo na parede demolida, na altura do respaldo, com uma argamassa de cal areia e cimento, e remate necessario.
2.ª
A construir com tijolos retirados da dita parede um muro em toda a frente, com dous metros de altura, caiado e rebocado na face externa, sendo este muro construído com tijolos a tição e dous pilares centraes com a necessaria resistencia para suster um portão de nove palmos, com dobradiças de ferro que serão encaixados e tomados a cimento.
3.ª
O alicerce terá 0,80 x 0,50 e será feito de pedra, cal, areia e cascotes, fornecendo a Intendencia a água precisa para todo o serviço.
4.ª
O traço empregado no muro para assentamento dos tijolos será de 3 x 1 de cal e areia, o reboque na base da frente até a altura de 0,60 será de cimento e dahi até a altura do respaldo será de 2 x 1 de areia e cal.
5.ª
O contractante obriga-se mais a substituir as paredes do edifício da sub-intendencia feitos de estuque e cujo reboco está a cahir, por imperícia e ganância do constructor, por paredes feitas como tijolo em pé convenientemente tomados com traço forte na razão de 2 x 1 de cal e areia.
6.ª
Obriga-se mais a rebocar ambas as faces das ditas paredes com reboco de cal e areia na mesma proporção, caiando todas as peças do mesmo predio, a juiso da Intendencia.
7.ª
A fornecer todo o material preciso para este ultimo serviço, pagando a Intendencia ao contractante, por todas obras de que trata este contracto, a quantia de seiscentos e deseseis mil reis (616$000) depois de recebido todo o serviço.
8.ª
O contractante, no fim de quatro meses, obriga-se a pagar a esta Intendencia uma multa de duzentos mil reis (200$000) si por ventura ficar provado que as obras executadas não têm a precisa solidez.
E, para claresa, eu, João Porto da Fontoura, secretario da fasenda, lavrei o presente contracto que assignam o Sr. D.r Candido Alves Machado de Freitas, vice-intendente em exercicio e o contractante Francisco Miotti sobre 320 reis de estampilhas estaduaes.
Cachoeira 7 de Maio de 1906
Dr Candido Alves M. de Freitas
Francisco Miotti

  

Comentários

  1. Fantástico....que belas descobertas.

    ResponderExcluir
  2. As informações fornecidas por este documento realmente "jogam luz" sobre vários fatos, comprovam algumas avaliações preliminares e suscitam muitas novas perguntas, intensificando cada vez mais a importância desta edificação sesquicentenária. Um belo trabalho em equipe das pesquisadoras, interpretando obscuros documentos protegidos da voracidade do tempo, auxiliando os arquitetos, todos unidos pelo amor ao nosso patrimônio histórico, testemunho da grandeza de Cachoeira! Parabéns! Obrigada!
    Elizabeth Thomsen ( coordenadora -geral do Movimento pela Restauração do Paço Municipal)

    ResponderExcluir
  3. Obrigada, José Esber e Elizabeth Thomsen. O apoio de vocês nos estimula a cada vez mais buscar informações para juntos fortalecermos o movimento em prol do nosso Paço Municipal.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co